sábado, 16 de outubro de 2010

NÃO ESTAMOS LONGE

video

16 comentários:

  1. Estive para fazer um post sobre este genérico... terrivelmente real!

    ResponderEliminar
  2. Comparo os Simpsons às crianças: vão fazendo as coisas a ver até onde podem ir.
    duvido que a série "passe" na China, se sim, vai deixar de ser certamente.

    ResponderEliminar
  3. Pronúncia, de facto é um alerta poderoso.

    ResponderEliminar
  4. Cat, nem o Matt Groening iria tão longe. Esta versão não é oficial, é do Banksy. Usou bem a popularidade da série.

    ResponderEliminar
  5. Estas coisas soam sempre a mais do que são na realidade. Pelo que vi, a crítica social que Bansky propunha tinha a ver com o outsorcing do franchise dos produtos da marca simpson para a Coreia do Sul. É uma crítica feroz ao mercantilismo da mão-de-obra mais barata - talvez até tenha alguma base de realidade sobre o que se passa principalmente na China e na Índia - mas nem a china nem a Índia - tanto quanto sei - têm unicórnios e a Coreia do Sul também não tem Pandas, pelo que, quase de certeza, terão sido apenas alguns americanos a sentirem-se chocados pelos outros.

    ResponderEliminar
  6. Johnny, é verdade que a China, a Índia ou mesmo a Coreia do Sul não têm unicórnios nem pandas. A questão aqui não é essa. A questão essencial é se aceitamos, no Ocidente, baixar o nosso nível civilizacional aos níveis que estes países evidenciam, ao mesmo tempo que nos invadem economicamente, impondo as leis do mercado.
    Ora, se o Johnny está nessa disposição, eu não estou com certeza. Embora tema que é precisamente isso que já está a acontecer.

    ResponderEliminar
  7. CIRRUS: e o pior é que tudo assiste, esconde a cabeça na areia , aceita a canga como os bovinos...e nós vamos "comendo e calando"...OS CALHORDAS, entretanto, ganham e sugam o sangue do povo...
    Abraço
    Mª ELISA

    ResponderEliminar
  8. blá blá blá... se queres que te diga já só estou preocupada com o sobreviver no dia-a-dia...
    e é mesmo isso que "eles" pretendem... deixar todos bem presos na sua teia de poder e manipulação e assim podem fazer o que bem entendem...
    no fundo todos somos escravos de alguém...
    arghhh!!!!!!

    ResponderEliminar
  9. Maria, não aceito, nem nunca aceitarei. Eu protesto, e este sítio também serve para isso. Temos um poder à nossa disposição. Pena que poucos o utilizem.

    Abraço!!

    ResponderEliminar
  10. Anne, é bom termos consciência de que somos escravos. É um primeiro passo para nos emanciparmos. Mas não chega. É necessário mudar. É necessário enviarmos as mensagens certas a quem pensa que tudo pode. É urgente!!

    ResponderEliminar
  11. sem dúvida, mas depois de destruída a esperança de um povo, não há muito mais a fazer...
    é como me sinto às vezes. a minha ingenuidade de querer mudar o mundo foi quebrada pelo mesmo mundo que pretendo "salvar"...
    a injustiça destrói a alma das pessoas...

    ResponderEliminar
  12. Anne, por muito que tentem, nunca me tirarão a esperança. Nunca me quebrarão o espírito. Nem de um povo inteiro. Ele há-de acordar.

    ResponderEliminar
  13. Cirrus, digo apenas que a crítica teria sentido se fosse feita à China ou à Índia, porque relativamente à Coreia-do-Sul não tem grande sentido, visto que é um dos países mais desenvolvidos do mundo, tendo fama também pela alta qualificação da mão-de-obra. Haverá mão-de-obra barata na Coreia do Sul? Talvez, mas não me parece que seja comparável à da China ou da Índia... se calhar nem à de Portugal, daí ter dito que não há pandas na Coreia (há na China), nem unicórnios (há no mundo da fantasia - que é o mundo onde a crítica desfasada de um artista genial foi buscar inspiração)

    ResponderEliminar
  14. Johnny, a Coreia do Sul é um dos países com a produtividade mais baixa do mundo, sabia?

    ResponderEliminar
  15. Mas falávamos (o banksy falava e o excerto do genérico falava) de excesso de produtividade e más condições de trabalho, não de produtividade baixa.

    Cirrus, apenas critico a comparação entre todos os países asiáticos, como se a Coreia do Sul fosse igual à China ou à Índia. para mim, não é. A crítica presente no genérico visa fazer crer que sim, para mim está errada nesse aspecto.

    ResponderEliminar
  16. Johnny, não confundir, nunca, excesso de trabalho com excesso de produtividade. Esse é um erro muito comum. São diferentes, com toda a certeza. Muito? Talvez não, talvez não...

    ResponderEliminar

LEVANTAR VOO AQUI, POR FAVOR