terça-feira, 30 de outubro de 2012

O FUNDO



Ilustração Marco Joel Santos
Começa a cansar e eu sinto-me cansado. Este país tem o que merece, não tenho dúvidas. E sempre terá. É um país com palas, como aquelas que são usadas pelas mulas de carga. Se dantes fomos governados por incompetentes e criminosos, hoje somos governados por desenvergonhados. Não há a mínima vergonha, não há o mínimo sentido de Estado, não há o mínimo de competência.
Este governo pode ou não ser o pior de sempre em Portugal. Provavelmente será um dos mais sérios candidatos. E não é preciso muito para termos essa sensação. Temos um primeiro-ministro delirante. Não que não estivessemos habituados a tal. Não tem coragem, no entanto, para dizer que é necessário acabar com o que pagamos com os nossos impostos, preferindo dizer que é preciso refundar o memorando de assalto. Tanta coisa para dizer que é necessário rasgar a Constituição e acabar de vez com a liberdade daqueles que nada mais têm a não ser essa vã ilusão.
Temos um ministro dos negócios estrangeiros que não concorda com nada, mas entende que é melhor destruir tudo que deixar algo de pé. Temos um ministro da Segurança Social que vai ao parlamento vangloriar-se de ter aumentado dez vezes o número de sopas dos pobres, quando devia procurar reduzir o número de pobres dez vezes. Temos um ministro dos assuntos parlamentares que simplesmente é um pato bravo, que acha que apenas a sua vida pública deve ser escrutinada, como se no privado pudesse andar por aí a assassinar ou a assaltar, que ninguém tem nada a ver com isso.
Temos um ministro da economia que é óptimo a mandar papaias do outro lado do oceano, mas que quando chega cá demora dois anos a perceber que a economia tem de… pelo menos não decrescer… Temos um ministro da Educação para quem a educação é apenas uma despesa a cortar. Temos um ministro da Saúde que não entende como os portugueses podem exigir ter hospitais. Temos uma ministra da Agricultura e Pescas que é provavelmente a mais vívida imagem da total incompetência. Temos um ministro da administração interna para quem a grande preocupação é o manifestante. Por fim, temos uma ministra da Justiça que todos os dias anuncia reformas, das quais nada vemos, mas se recusa a reformar-se.
E depois temos o Gaspar. Porque o Gaspar é uma classe à parte. Dizia o outro ministro da economia, o criminoso internacional António Borges, que é uma sorte o termos no governo. Talvez seja, efectivamente. Porque a verdade é que a incompetência gasparina é tal que isto pode dar para os dois lados: ou a agenda é clara e então é uma desgraça, ou então a agenda é aquela que sabemos mas é tal a incompetência que nem isso ele sabe fazer. Um homem que não acerta uma, diz agora que estamos a correr uma maratona que acontece na sua cabeça, uma competição incessante entre o neurónio que sobe e o que desce, e que já vamos no km 27. Quer-me parecer que a maratona que corremos é bem mais longa que os 42 kms habituais, e quase ainda não a começamos.
Evidentemente, o povo assiste. O povo aceita. O povo não gosta, mas acredita. Onde se vai buscar dinheiro para pagar aos funcionários públicos? Se não for a Troika, quem nos dá dinheiro? Mas recusa-se a pensar. Recusa-se a pensar que paga impostos e que estes têm de servir para pagar a funcionários públicos – enfermeiros, médicos, professores, polícias – porque é para isso que se pagam impostos! Não para pagar juros a uma Troika que nos empresta – empresta – dinheiro, a juros especulativos. É uma ajuda, dizem. Mas qual ajuda? Se fosse ajuda, não nos levariam couro e cabelo – 34 dos 78 mil milhões – em juros! Emprestar-nos-iam, pelo menos, ao mesmo juro com que abastecem os Bancos – entre 0 e 1%!
É isto que tem de ser refundado, não a Constituição, que é a única coisa que, neste momento, nos separa da escravidão. Mas até isso o povo parece ignorar. Portugal tem o que merece. Portugal está numa maratona, uma corrida de fundo, que é preciso refundar. Porque quando se bate no fundo e se continua a escavar – é Refundar! E ainda podemos afundar muito mais – Muito mais…

4 comentários:

  1. Eu também ando cansada, Cirrus! Será de tanta (re)fundação sem fundamento?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Andas nada, tens até energia a mais...

      Eliminar
  2. E o Aguiar-Branco? Foi propositado o esquecimento apenas para mostrar o quão inútil é?
    Somos um povo com uma leve queda para o suicídio daí caminharmos alegremente para o abismo (excelente cartoon, btw!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me lembrei dessa alimária. É para veres o quanto se tem destacado...

      Eliminar

LEVANTAR VOO AQUI, POR FAVOR