quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Um golpe de estado quase legal

Assistimos, hoje, a um golpe de estado nas margens da legalidade. O Primeiro Ministro veio comunicar ao país uma série de medidas que não passam de meras alterações contabilísticas, sem qualquer debate, sem uma estratégia política estrutural visível que não seja a de uma privatização encapotada da Educação e da Saúde e, a curto prazo, da Segurança Social. Pedro Passos Coelho bem tentou uma reforma da Constituição e, não a conseguindo fazer de jure, fá-la de facto.
O que é um sistema de educação mais repartido? Teremos agora uma escolaridade obrigatória até ao 12ºano com os alunos a pagar? Repartiremos os custos, sendo que os que mais contribuem através dos pagamento de impostos serão, também, aqueles que mais pagarão. Ressalvam-se aqueles que, sendo mais abastados, já o fazem no ensino privado. Ignoram, os nossos governantes, que uma enorme percentagem de alunos do ensino secundário já não consegue pagar o material escolar e, muito menos, os manuais. Ignoram, ainda, que muitos não conseguem sequer ter uma alimentação minimamente equilibrada.
Nas longas listas de alunos das turmas de décimo ano de escolaridade, milhares são filhos de pais desempregados cujas prestações sociais estão em risco.
Teremos, também, aqueles que durante uma vida descontaram para a Segurança Social partindo do pressuposto que o estado era uma pessoa de bem e que os seus descontos seriam revertidos na forma de uma determinada pensão a sofrer cortes na quantia que recebem. Os mais velhos terão, assim, menos quando mais necessitam e pagarão mais pelo acesso à saúde.
O Primeiro Ministro vem, de forma assaz "crédula", dizer que as nossas manifestações não são tão perturbadoras e violentas como as que se fazem nos outros países. Talvez se arrependa dessas palavras quando, em 2013, os portugueses sentirem na pele que os seus sacrifícios se agravam e não servem senão para alimentar o sorvedouro dos juros da dívida.

10 comentários:

  1. Confesso esgotada a minha capacidade de ouvir a argumentação apresentada pelo chefe dos ladrões Passos Coelho e do resto do gang, bem como a corte de engraxadores e de lacaios que vão enchendo a comunicação social, com o seu estafado argumentario salazarento em defesa da economia e do estado português, baseado no emprobecimento do povo, que enganaram com promessas eleitorais mentirosas, optando pela defesa da finança alemã.

    A miséria a que está a conduzir o nosso gente, não tem argumentação possível razão porque encerrei a partir de hoje, com a audição do jovem salazar português, a minha capacidade de ouvir qualquer tipo de argumentação daquela gente.

    Declaro-me a partir de hoje em desobediência civil enquanto esta gentalha se mantiver no governo. Este governo ilegítimo e ilegal, quanto mais não seja pelo facto de ser um governo fora da lei, considerando que insiste em governar contra a lei fundamental de Portugal a Constituição. Não devemos esquecer o que aconteceu com o orçamento de 2012, quando algumas das medidas orçamentais foram consideradas ilegais, embora tivessem sido deixadas passar, por razões que o Tribunal Constitucional considerou poderem ser aceites.

    Este governo, é um governo com pena suspensa, que reincidindo no mesmo crime, deve ser banido por aquele Tribunal.

    Banido em definitivo, da cena política deve ser não só essa gentalha do PSD, como o seu inútil apêndice político chamado CDS.PPm que claramente não faz mais nada do que tentar passar a imagem de alguém que estando não está, assina acordos com a gentalha do governo mas finge que não gosta e aparece chorando lágrimas de crocodilo, para salvaguardar futuras eleições.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos metidos num lio dos bem complicados...

      Eliminar
  2. E andam a encomendar estudos para fazer provar que o ensino particular gratuito é mais barato que o ensino público.

    Demissão completa das responsabilidades do estado é a ideia destes senhores.

    Tens razão, estes gajos não imaginam do que o nosso povo é capaz, eles que se fiem na virgem e não corram...

    Beijo grande.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só espero que o povo nos não defraude! **

      Eliminar
  3. Aquilo que o 25 de Abril trouxe, o direito igual e gratuito à saúde e à educação, que levou décadas a conseguir, um sistema que era invejado por todos os países da Europa que funcionava, está a ser destruído em meia dúzia de meses... vamos ficar mais pobres...mais doentes... e mais burros. Talvez convenha ao governo, sendo mais ignorantes temos menos capacidade de argumentação e de defesa, e sendo mais doentes, morremos mais rapidamente e temos menos custos para o estado.... esta é a verdadeira politica das reformas agora efectuadas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu a sentir os males da Educação e tu a sentires os males da Saúde! Cortar nos que não se podem defender é sempre fácil... **

      Eliminar
  4. (Vou acender uma vela e chorar um pouco...)

    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há-de haver muita vela acesa mas por falta de euros para pagar a conta da luz!!

      Eliminar
  5. E não há um herói que lhe meta uma bala no meio dos olhos?
    Poupava-se imenso nas despesas do estado pendurando a cambada pelos pés, nos candeeiros da marginal.
    Poupava-se em ordenados, em corrupção e o povo divertia-se à grande e sem pagar bilhete.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Microcéfalo, nem me atrevo a sonhar com isso... Mas... :)

      Eliminar

LEVANTAR VOO AQUI, POR FAVOR