segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

SONHO RECORRENTE 2

Foto Google

(AVISO: ESPERO QUE TENHAM BONS REFLEXOS A DESLIGAR O SOM DA BANDA SONORA. É QUE OS TEMAS SÃO SUBORDINADOS AO TEMA EM QUESTÃO NESTE POST. BOA SORTE!)
Capítulo II
-Então mas vocês aquecem o Inferno a Gasóleo de Aquecimento? E a quem compram? Ò pá, santo, eu arranjo já aí um desconto à maneira!
-Pois, a gente por aqui por baixo morria de frio, não fossem as caldeiras de gasóleo. Calhou-nos ficar cá em baixo, que se há-de fazer?
-Pois, lá em cima ficou o Céu, não é? - perguntei na minha inocência.
-Não, lá em cima, no Pólo Norte, ficou o Pai Natal. Nós ficamos com o Pólo Sul. E isto é um gelo do cªrª£hº, principalmente nos seis meses de noite...Vamos para dentro, estou a congelar os tomates aqui fora.
E fomos para dentro. Não fomos logo para a sala disco. S.Cipriano quis mostrar-me a casa antes da diversão. Ia mostrando os cantos e recantos do sítio e explicando o que ali se fazia.
-Aqui é o Inferno budista. Podes dar uma olhada aí pela janela – disse-me ele. Olhei. Estavam gajos sentados até perder de vista, todos vestidos com panos laranja, em posição de cªgªr. Estavam todos concentrados e de vez em quando diziam “mmmmmm”...
-Então mas não é isto que eles fazem na Terra? Qual a diferença?
-Pois, tivemos alguma dificuldade em pôr os gajos cá. Mas depois arranjamos a solução. Fazem exactamente o mesmo que na Terra, mas sempre. Não se levantam para vender balsamo chinês.
-Há uma coisa que não percebo. Porque é que fazem “mmmmm”?
-Ninguém sabe. O patrão diz que são todos uns bois do cªrª£hº e é a forma deles mugirem. Outros dizem que é para se concentrarem, que é tipo uma trampa.
-Mantra...
-Pois, é capaz, é... Já te disse que não sei as Escrituras de cor... Eu acho que é por estarem a puxar para cªgªr... Olha, vês, ali é o Inferno hindu.
Olhei pela janela e vi um comboio imenso, cheio de gente lá dentro, em cima e dos lados.
-Também não estou a ver diferença do que faziam todos os dias na Terra...- disse eu, encolhendo os ombros.
-Pois, à primeira vista não, não é? Mas o patrão arranjou maneira. Aumentou-lhes os ordenados para 20 euros por mês e eles agora sentem-se mal porque podiam pagar o bilhete para ir dentro do comboio, mas não podem porque já está cheio! É uma aflição... Havias de ver ao início do dia! Olha, estamos a chegar ao Inferno judaico.
Olhei pela janela e vi uma terra a perder de vista, verde e cheia de árvores de fruto, com gado a pastar. Tudo numa abundância extrema. As pessoas vagueavam pelos campos, muito tristes e chorosas.
-Este ainda é melhor que os outros! - exclamei eu – estes gajos têm cá tudo o que precisam. Mas estão todos a chorar. Não percebo muito bem...
-O patrão tirou-lhes os palestinianos e eles agora não têm quem matar. Aí está o Inferno protestante.
Era uma paisagem quase tão idílica como a do Inferno judaico, e com as pessoas igualmente cabisbaixas e com um olhar perdido.
-E a estes, que lhes fizeram para ficarem tão tristes?
-Bem, depende. Aos fundamentalistas, tiramos-lhes as carroças e demos-lhes carros!
-E onde arranjaram os carros?
-Tiramos aos que não são fundamentalistas. E a esses demos-lhes as carroças dos outros! Isto para a auto-estima é uma porra. Além disso, dissemos-lhes que o petróleo acabou na Terra... Olha, o Inferno islâmico.
Olhei. Era um quartinho pequenino e deserto. Aparentava nunca ter sido utilizado.
-Onde estão os gajos? - perguntei.
-Quais gajos? Os muçulmanos? Esses nunca vão para o Inferno. Podem fazer o quiserem e muito bem lhes apetecer na Terra que aqui nunca vêm parar. Apedrejar, vergastar, bater nas mulheres com barras de ferro, matar os gays, até pôr bombas, lançar rockets ou fazer atentados suicidas. São sempre perdoados. Ouvi dizer que a única diferença entre eles no Céu é o número de virgens que têm à disposição. Mas essa conversa das virgens... não me convence. É quase como a outra, a Maria...
-A Virgem Maria? - disse eu – essa concebeu sem pecado, segundo as Escrituras. Recebeu a visita do Arcanjo Miguel para lhe anunciar o nascimento de Cristo.
-Pois, isso é o que aparece no filme. Mas é relativo. Uma queca anónima é pecado? Para mim não! Além disso, a moça já tinha bebido uns canecos naquela noite e as substâncias psicotrópicas fluíam livremente. Olha, mais pecado foi pôr um valente par deles no José e obrigar o Patrão lá de cima a assumir a paternidade.
-Estás a dizer que Cristo não é Filho de Deus?
-Não, estou a dizer que pode ser. Ninguém sabe. Mas sabes como é, naquele tempo não havia ADN nem o catano... Lá ficou o Patrão de cima com o puto nas mãos. Mas olha que nunca perdoou a coisa. Fez o puto passar por cada uma...
-Sim, a vida de Cristo foi muito sofrida, isso é verdade...
-Sofrida? Foi horrível, pá!
-Pois, a crucificação e isso...
-Qual crucificação? Estava a falar do facto de nunca ter dado umas... sabes?
-Então agora vamos ver o Inferno católico? É para lá que eu vou?
-Vamos ver o Inferno católico, mas não vais para lá, pá! Nada disso.
-Então vou para que Inferno?
-Tu vais para o Inferno Português.
-Há um Inferno só para Portugal? Estou, portanto, a modos que fºdidº...
-Tens de entender uma coisa. O Céu português é um Paraíso à beira mar plantado, de brandos costumes, calma e muito relax. Muito bronze, pouco trabalho e tal... estás a ver o filme.
-E qual a diferença para Portugal mesmo?
-É offshore... Como é, bebes um copo? Anda daí, eu pago. Vamos lá discutir o desconto no gasóleo de aquecimento! A gente costuma comprar aí a uns habilidosos com umas carrinhas manhosas...

16 comentários:

  1. Esta cherengada a que tu chamas música é uma violação aos ouvidos da gente. Sem KY nem nada!

    ResponderEliminar
  2. Francisco, não considero como tal. Mas lembra-te, de toda a maneira, que eu avisei ali bem no cabeçalho!
    Querias que falasse do Inferno e pusesse o Roberto Carlos a cantar o Calhambeque?

    ResponderEliminar
  3. eh eh eh O Calhambeque. Da-ssee podias ter-te lembrado de outra. Ao menos o Leal, que é cá dos nossos

    ResponderEliminar
  4. E fizeste o desconto ao santo?!...

    ResponderEliminar
  5. Nós fazemos sempre descontos a todos os clientes. Não deixa de ser interessante que o que mais retiveste do texto foi o desconto. Começas a perceber agora por que razão, caso existisse Inferno, eu obrigatoriamente teria de lá ir parar?

    ResponderEliminar
  6. Isso quer dizer que o santo era (ou ficou) cliente?!

    O que mais retive de toda a publicação não foi o desconto... isso foi apenas o que comentei... são duas coisas diferentes.

    É caso para dizer que tens um lugar reservado no... Inferno?! :D

    ResponderEliminar
  7. CIRRUS, não vás só...leva a ventoinha...
    BEIJOS
    Mª ELISA

    ResponderEliminar
  8. Pronúncia, pá, que és impaciente como tudo!! Deixa decorrer a história! Mania de estragar os posts futuros às pessoas, pá!

    ResponderEliminar
  9. Maria, nada de preocupações, o local é fresco.

    ResponderEliminar
  10. Eusebio, acho que estamos (bloguistas) a perder terreno para o FB e afins...

    :-)

    ResponderEliminar
  11. Francisco, não aches. Os blogs são nobres. O Fb é bitaitice.

    ResponderEliminar
  12. Meu caro,
    (só reparei no teu comentário hoje)
    desculpa a "falta de consideração" - motivos de saúde. Espero voltar em força naquela altura.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  13. Interessa lá isso! Seu ingrato!!

    As melhoras!

    ResponderEliminar

LEVANTAR VOO AQUI, POR FAVOR